26 abril 2009

Identidade cristã, crise do novo século

Referência bíblica necessária: 1 Samuel 16.1-13. 

Se cada um cuida do outro como parte de si mesmo esse corpo nunca fica doente Na leitura deste texto sagrado passei a refletir sobre qual é de fato o tipo de gente que mexe o coração de Deus. São poucos. Na verdade, não sei onde me enquadro. O texto fala de um que foi rejeitado por Deus e de outro que foi por Ele escolhido. Passo a me perguntar onde me enquadro. Tudo começou com a orientação precisa sobre o que Saul deveria fazer. Pena que ele não deu ouvidos às palavras do Senhor. A finalidade deste meu escrito é levar a todos os que lerem a um resgate da identidade dos filhos e servos de Deus para que não se misturem às falsidades existentes no mundo. Muitas são as farsas. O espírito de confusão visa distorcer as verdades de Deus e de sua palavra. Se não estivermos vigilantes seremos tragados por suas mentiras. Para vencer esse espírito de engano e resgatar a verdadeira identidade em Cristo é preciso entender em que tipo de geração nós vivermos. Essa é uma geração indefinida. Somos forçados a viver num ambiente indefinido onde não sabemos quem é quem, se é homem, se é mulher, se é certo, se é errado, se pode, se não pode. A todo tempo somos bombardeados por uma série de informações na alma que, se não estivermos firmes naquilo que somos em Cristo, somos presa fácil à confusão. Tudo começou com a distorção da verdade. Deus rejeitou a Saul Deus rejeitou a Saul porque Saul rejeitou sua Palavra 15.26. Rejeitar as Palavras do Senhor acarreta em muitas conseqüências Pv.1.24-33. Deus rejeitou a eliabe 6. Do pouco que se fala de Eliabe na bíblia, nada indica a razão de Deus rejeitá-lo. Apenas diz que Deus o rejeitou. Trágico. Pressões que podem nos levar a rejeitar a palavra de Deus: As pressões do diabo vêm na tentativa de criar em nós uma resistência àquilo que Deus tem falado. Assim aconteceu com o primeiro casal. “É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim”?(Gn.3.1). E assim também aconteceu com Jesus. “Se és Filho de Deus...” (Mt. 4.1,5...). As pressões do mundo vêm na tentativa de misturar as coisas sagradas com as coisas profanas. Nosso coração é um terreno fértil. Tudo o que nele se planta tem a capacidade de produzir frutos. O diabo arquitetou o uso da mídia profana, a ignorância social e as paixões da carne como mecanismos para contaminar os filhos de Deus. A mídia profana estimula as pessoas a ignorar a relação com Deus e desperta interesses imediatistas. Estimula o indivíduo a não depender de Deus pra nada. A mídia profana ridiculariza àqueles que querem viver uma vida santa. A mídia profana forma indivíduos insensíveis às violências físicas e emocionais. A mesma novela que estimula uma relação sexual fora dos padrões da palavra de Deus é a que apresenta o homem/mulher descartando seu parceiro (a) como se fosse um objeto descartável. A ignorância social é a razão da desgraça de muitos indivíduos, famílias, e nações. Deus tem interesse em que você cresça socialmente, que você estude, faça uma faculdade, que seja o melhor empresário, o melhor funcionário, o melhor líder, o melhor pastor. Deus quer que você seja o melhor, mas isso só é possível se você não for ignorante. A ignorância é resultado de uma atitude de rebeldia e desonra contra os pais; A ignorância é resultado de uma atitude de preguiça e comodidade; é gente que confia em si mesmo e não ler um livro começa e não termina etc. A ignorância é resultado de uma atitude de desinteresse. As paixões da carne afetam a identidade pessoal e deixa o indivíduo deformado emocionalmente. Gl. 5.19-21 As pressões impostas pela carne vêm na tentativa de nos afastar daquele que nos chamou das trevas para a sua gloriosa luz. Essa crise de identidade acontece quando humanamente estamos livres, mas espiritualmente ainda somos escravos, como aconteceu com os espias enviados por Moisés na terra da promessa Nm. 13.33. Eles estavam livres no corpo, mas escravos na alma. “Em seu espírito eles não descobriram a sua nova identidade de homens livres, de soldados valentes, de homens ungidos por Deus para possuir a terra e romper todos os gigantes que lá estivessem”. Não descobriram a sua nova identidade, tinham uma crise. O problema da crise não são as circunstancias, na crise das nossas vidas o problema não são os outros o problema é como nós nos vemos a nós mesmos. Deus disse a “terra é vossa”, mas eles olharam para si e tiveram medo porque não sabia quem eram. Quanta gente em crise porque não sabe quem é; escravas em áreas de suas vidas porque não sabe quem é; podem passar por 50 encontros, enquanto não descobrir sua identidade em Deus, diante de cada desafio para nova conquista, você vai ter crise de identidade e vai ficar no deserto. Tu és o que tu vês. Porque se viram como gafanhotos, ficaram no deserto porque lugar de gafanhoto é no deserto. Gafanhoto não conquista terra, não enfrenta gigante, mora no deserto e são comidos pelo deserto. Nenhum daqueles que se viram como gafanhoto entrou na terra, mas foi devorado no deserto, apenas Josué e Calebe se viam como homens poderosos em Deus e possuíram a terra. Nenhum de nós conseguirá entrar no domínio das promessas de Deus se não conseguir assimilar, absorver e tomar posse da identidade em Cristo Jesus. Não adianta ter uma experiência na mente e na emoção. O espírito tem que ser tocado, tem que ser transformado, tem que se transformar até que a identidade seja revelada. A unção vem sobre nós para formar uma identidade. Ungir significa entre outras coisas, separar. A unção do Santo repousa sobre vós. A unção veio para formar Davi, para mudar a sua identidade para realizar o que Deus havia estabelecido. Deus não tem favoritos, a unção de Davi não era superior a de Saul. A diferença estava na atitude dos dois diante da unção. Davi era maleável nas mãos de Deus. Saul teve medo diante de Golias porque perdeu a identidade, esqueceu quem ele era. Com Davi foi diferente. A unção na identidade como filhos de Deus. A unção na identidade como Corpo de Cristo. Somos um só corpo formado por diversos membros. Se cada um cuida do outro como parte de si mesmo esse corpo nunca fica doente. A unção na identidade como estratégia de conquista. A igreja não vai muito longe se não tiver uma estratégia de conquista que envolva o máximo dos seus membros. A identidade do jovem que deus usa. As marcas dessa identidade: Pequeno, mas não o menor. Ainda falta o menor. Não importa se você é o menor. Há uma promessa que “o menor virá a ser mil e o pequeno uma grande nação”.Não importa se somos avaliados pelos outros como o menor ou o menos provável; não importa se as pessoas acham que você não tem chance de ser ou ter algo. O Senhor te escolheu, e ainda que aparentemente você não seja o ideal, pra Deus você já é rei. Apascentador. Está apascentando as ovelhas. A destreza de Davi em estar com a mente ocupada no “ato profético” de cuidar das ovelhas fez dele o escolhido por Deus para reinar sobre Israel. Que expressão de fé você tem usado para ser o que Deus quer que você seja jovem? Conhece a Deus. O desafio de conhecer a Deus pessoalmente. Você nunca irá muito longe se não conhecer a Deus pessoalmente e se não tiver uma revelação pessoal do Deus todo poderoso. Viva a sua própria experiência, e eu estou convencido que nesta oportunidade você experimentará de Deus algo que nunca experimentou. Hoje é dia de resgatar a sua identidade. O Espírito de Deus se apoderou de Davi depois da unção. A unção respalda a identidade e o ministério. Davi foi ungido na presença dos seus irmãos indicando que Deus honra a identidade familiar. Identifique-se nEle...

Josenilton Pinheiro

Nenhum comentário: