23 maio 2012

Vença em paz a tua angústia!


Vença em paz a tua angústia.

“Se te mostras fraco no dia da angústia, a tua força é pequena” – Pv. 24.10
Quando se tem uma preocupação há sempre um fator que gera essa preocupação. Na angustia não é assim. Quase sempre as pessoas experimentam se angustiar, mas, nem ao menos, sabem por que se sentem assim.
O que pode ser feito?
Você é mais forte do que a angústia. Portanto, vença-a. Uma das formas de manter-se forte é fazendo coisas que te deixam bem consigo mesmo. Presenteie-se. Não há nenhum pecado nisso quando feito com responsabilidade. No tempo da angústia as coisas simples têm maior relevância. Levante-se e surpreenda alguém, também, com um presente.
Descentralize-se da angústia. O maior erro que você cometerá nos dias da angústia é acreditar que você deve ser o centro das atenções. Desligue-se disso!
A diferença entre o que perde e o que vence a angústia é que o que vence nunca alimenta as reivindicações do ego. Ele tem angústia, mas a angústia não o tem.
Dicas simples:
·        Selecione músicas que te inspire e não as que te oprimem;
·        Cuidado com lugares. Essa é uma oportunidade de conhecer lugares novos;
·        Coisas diferentes. A rotina não precisa ser um veneno. Se tiver que fazer as mesmas coisas, inove. Faça-as de maneira diferente;
·        Planeje o amanhã. Uma das coisas mais deprimentes na vida de uma pessoa é não sonhar mais. Isso tem cheiro de depressão!
·        Seja forte e saia dessa. Planeje fazer e faça coisas diferentes a cada dia.
ORE. Há sempre um bálsamo para quem ora e o nome desse bálsamo é cura!
Não se culpe. Vença em paz a tua angústia.

Josenilton Rosa Pinheiro.

14 maio 2012

Amar. Simples assim!


Amar. Simples assim!


“Seja a vossa amabilidade conhecida por todas as pessoas. Breve voltará o Senhor”. Fil.4.5

“Dizem que a pessoa faz a comunidade, e que a comunidade faz a pessoa”.
Inácio Larrañaga.
Ainda que despercebidamente os ‘dias voam’. Como nos acostumamos dizer, nada pode justificar a indiferença entre os filhos de Deus.
Vinte e quatro horas parecem poucas frente a tanta coisa que temos pra fazer. Na verdade não sei se temos que fazê-las ou se é um chamado desconexo das nossas rotinas que nos transformam mais e mais em ativistas impensantes.
Dizer ‘eu te amo’ ou demonstrar um simples gesto de afeto fica cada vez mais raro neste sistema tão pra si mesmo e tão doentio! Todavia, é neste sistema de vida que somos convidados a refletir tantas verdades profundas e não pouco esquecidas.
Nas palavras do apóstolo Paulo, demonstração de amor é algo para ser vivido, ministrado até que as pessoas, pelo menos as mais próximas de nós conheçam qual a melhor definição de Deus: Deus é amor! (1 Jo 4.8). Quando transmitimos amor transmitimos o próprio Deus!
Declarações póstumas não produzem nada. Quem é amado precisa ouvir e receber esse amor enquanto vivo.
Toda comunidade cristã é convidada a ministrar amor em todo tempo. Aos de dentro e mais urgentemente aos de fora.
Que o Eterno encha nossos corações de seu terno amor para ministrarmos amabilidade uns aos outros. Por que razão? Por uma só: “Breve voltará o Senhor” e os que amam estarão para sempre com Ele.

Josenilton Rosa Pinheiro.