17 novembro 2008

Conquistar as promessas


Leitura bíblica necessária: Gênesis 13.14-18
E disse o Senhor a Abrão, depois que Ló se apartou dele: Levanta agora os olhos, e olha desde o lugar onde estás, para o norte, para o sul, para o oriente e para o oriente;porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, para sempre.
E farei a tua descendência como o pó da terra; de maneira que se puder ser contado o pó da terra, então também poderá ser contada a tua descendência.
Levanta-te, percorre esta terra, no seu comprimento e na sua largura; porque a darei a ti.
Então mudou Abrão as suas tendas, e foi habitar junto dos carvalhos de Manre, em Hebrom; e ali edificou um altar ao Senhor.
Semelhantes a Abraão todos nós temos promessas de conquistas. Há coisas que Deus prometeu na sua palavra que nos daria as quais devemos conquistá-las diariamente. Mas há promessas específicas que Ele faz às pessoas como fez à Abraão. Ele é fiel para cumprir cada promessa feita. Porém para se apropriar dessas promessas, que é resultado da Sua aliança é necessário fé. Sua palavra diz que “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb. 11.6). Mesmo que Ele tenha feito as promessas o cumprimento delas depende disso. É preciso crer para conquistar!
As promessas de conquistas feitas por Deus tiveram seu alicerce em coisas específicas que Abraão deveria fazer.
Abraão deveria sair da sua terra. ‘Deus encontra Abraão em Ur da Caldéia’ e o leva para uma terra distante. Ur foi o centro do comércio nos dias de Abraão. Cidade de grande cultura, especialmente devotada à idolatria.
Deveria deixar a sua parentela. Sair da parentela era deixar, dentre outras coisas os costumes idólatras arraigados na sua família. Não era o abandono da família, mas, a recusa dos costumes idólatras que eles tinham. Era aborrecer esses costumes.
Para uma terra que te mostrarei (12.1). Nem sempre os caminhos de Deus são claros, o que exige fé. Abraão parte para uma terra que lhe seria mostrada à medida que caminhava em fé. O dia após dia é necessário para o amadurecimento em fé de todo filho de Deus. É bem verdade que Ele é o El Shaddai, o todo poderoso que pode fazer as coisas imediatas através dos milagres, porém escolhe, na maioria das vezes que seus filhos cresçam e amadureçam no caminho da fé.
OS AJUSTES NO CAMINHO ACELERAM AS CONQUISTAS
Era necessário tirar da sua vida tudo aquilo ou todos aqueles que interferissem o cumprimento das promessas de Deus. As promessas feitas a Abraão foram de graça, mas tinha um preço, o preço da renuncia.
Tenha a certeza de que, a partir do momento que você deixar de caminhar com “Lós” as promessas que o Senhor te fez começarão a se cumprir em tua vida.
EMPECÍLHOS QUE RETARDAM AS PROMESSAS DE DEUS
Pessoas.Os problemas que nos cercam não são tão cruciais como as pessoas que nos cercam. Não somos derrotados por nossos problemas, mas, se as pessoas ao nosso redor não sabem como lidar com problemas, então nós podemos ser derrotados”.(John Maxwell- Seja tudo o que você pode ser). O ditado mais apropriado para esta sena bíblica não é “me diga com quem tu andas que eu te direi quem tu és” mas, “me diga com quem tu andas que eu te direi para onde vais”.
Hábitos, tradição. Muitos hábitos roubam a oportunidade de conquista na vida, principalmente, o hábito de reclamar, murmurar, falar mal etc.
Muitos filhos de Deus não conquistam porque o que falam os destrói.
Pecados. Pecado não confessado trava o cumprimento da promessa. Em Pv. 28.13 está escrito: O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.
E ainda em Is. 59.2: Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça.
ATOS DE FÉ PARA CONQUISTAR A PROMESSA
Ter visão aguçada. “Levanta agora os olhos”. Quando tiramos os empecilhos da nossa vida podemos levantar os olhos e ver milagre onde aparentemente não existe. O que isto significa? “Uma grande visão lhe ajudará a superar qualquer problema, mas uma visão pequena ou a falta de visão fará com que pequenos problemas o derrotem e o impeçam de torná-lo quem você deveria ser”. Você só terá aquilo que consegue vê. A aparente desvantagem de Abrão por ter seu sobrinho Ló escolhido a toda a planície do Jordão, que era bem regada, (13.10) na verdade estava reservando uma grande conquista pois a multiplicação prometida por Deus se daria a partir do lugar onde Abrão estava.
Descobrir oportunidades. “E olha desde o lugar onde estás”. “Todas as oportunidades para Abrão ser bem sucedido poderiam ser observadas de onde ele estava naquele momento”. Engano pensar que as oportunidades estão somente nos lugares aparentemente bons. A grande verdade é que ‘onde estamos é que estão as oportunidades’. (exemplo das águas de Mara Ex. 15.23-25, da multiplicação de pães Mt.16.14-19, da água transformada em vinho Jo. 2.7-9).
Ver todas as possibilidades. Abrão deveria olhar para o norte, para o sul, para o oriente e para o oriente; “Olhar em todas as direções”. Para ter algo você precisa ver; ter um modelo; uma maquete. Olhe em direção à sua família, ao seu trabalho, à tua célula, à tua vida sentimental, enfim, olhe em todas as direções.
Olhar para o futuro. “Porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, para sempre”. Abrão não podia ser egoísta nem imediatista. Tinha que ver sua descendência participando das conquistas prometidas por Deus.
Prontidão. “Levanta-te, percorre esta terra, no seu comprimento e na sua largura; porque a darei a ti”. Estas palavras falam de prontidão, da disposição que todos nós precisamos ter para percorrer a terra da nossa promessa. À medida que percorremos a terra da nossa promessa passamos a conhecer os desafios que vamos precisar enfrentar, os gigantes que teremos que derrubar.
Não fique parado esperando o milagre. Levante-se prontamente e verás que o Deus que prometeu é FIEL PRA CUMPRIR...
Conclusão: Reflita sobre as coisas que Deus ministrou no seu coração através deste estudo e que você deve renunciar. Há alguma pessoa no seu relacionamento que está te atrapalhando receber as promessas de Deus? Há algum hábito, algum pecado? Converse com Deus sinceramente e aja de acordo com o que você aprendeu.
Josenilton Pinheiro
(Fontes bibliográficas:* Elienai Cabral – Lições bíblicas Cpad, 1995/ John C. Maxwell- Seja tudo o que você pode ser.)

09 outubro 2008

Fuja da negligência

Quem é negligente na sua obra já é irmão do desperdiçador ( Pv. 18.9).

Desperdiçar é: · Não usar as coisas na sua totalidade, esbanjar, desaproveitar. · Colocar muita comida no prato e só comer a metade. A outra parte é jogada no lixo. · É comprar uma infinidade de roupas e calçados e não usá-los. · É ocupar a mente com as imundícias da televisão e não separar tempo com qualidade para a leitura da bíblia e para a oração.
Negligenciar no trabalho é um convite a perder oportunidades, promoções e empregos, dentre outras coisas. A bíblia diz: “Em todo trabalho há proveito” (Pv. 14.23). Nada justifica a falta de produtividade no trabalho, pois há uma bênção prometida: Proveito! Negligência e preguiça são as razões para a improdutividade. Todo nível de destruição que existe é resultado da falta de diligencia e da falta de empenho naquilo que se faz. Ex: Não conseguir cobrir os gastos financeiros por negligência no controle. Neste caso o que fazer? Com base na multiplicação dos peixes: 1. Ponha em ordem todas as coisas. Ponha em ordem todas as dívidas. Você precisa encarar o fato de que deve. Não fuja dessa realidade. Relacione todas as dívidas e busque negociação. Esse é o primeiro passo para quitá-las. 2. Abençoe tudo o que tem. Não se concentre naquilo que você não tem, mas no que tem. Lembre-se dos recursos financeiros, bens moveis e imóveis, jóias, veículos etc. 3. Quando necessário abra mão do que você tem. O garoto podia reter os pães e peixes que tinha, mas, se o fizesse perderia a oportunidade do milagre. 4. Decida viver diligentemente (Ef. 5.15). Para pensar: Se faltar diligência o desperdício bate à porta. · Não desperdice mais seu tempo – 1 Tm. 4.15 · Não precisa ser “pão duro”, mas saiba para onde vai cada centavo. · Dê qualidade ao seu trabalho. Qualidade no trabalho é igual a qualidade de vida.

VOCÊ É O QUE É E NÃO TEM COMO CAMUFLAR ISSO POR MUITO TEMPO.

Josenilton Pinheiro

23 setembro 2008

Consolidação pessoal. A coragem de encarar a si mesmo

Leitura bíblica necessária: Ezequiel 37.

Compreender o capítulo 37 de Ezequiel seria mais fácil se fosse apenas a apresentação do Deus que é poderoso para fazer uma mudança substancial nas coisas difíceis da humanidade. Entender que Ele é capaz de ressuscitar mortos, curar enfermos, fazer milagres etc. se torna fácil quando nosso interesse em entender a sua palavra é acompanhado de fé. Porém, quando me vi diante do versículo onze que diz; “Filho do homem, estes ossos são toda casa de Israel” percebi que não é tão fácil assim. Afinal, foi a afirmação do próprio Deus dizendo do estado real do seu povo Israel. Deus queria que seu povo, na pessoa de Ezequiel, tivesse uma percepção correta da sua real situação. Israel precisava encarar a si mesmo! Por que precisamos encarar a nós mesmos? 1. Porque não podemos o tempo todo ser parecido com o outro. Por trás do termo “o que é bom precisa ser copiado” pode haver uma atitude disfarçada para se fugir da individualidade e mascarar-se com o modo de vida do outro. Acredito que os bons modelos de vida devem servir de inspiração e não como uniformes para experimentarmos, afinal, Deus deu a cada um de nós um traje na medida certa. 2. Porque Deus nos criou com características pessoais intransferíveis. Aquilo que é peculiar a um não é, necessariamente a outro. 3. Porque não existe ouro “você”. Você é único na face da terra. Querer ser a cópia do outro é utopia, pois aquele outro também é único na terra. Com as virtudes e os defeitos encare a si mesmo e as possibilidades de milagres vão se apresentar diante de você. E nada de querer fugir de você. A propósito, uma música cantada por Carlinhos Veiga descreve muito bem isto:
Correr de Mim - Juraildes da Cruz Eu pensei correr de mim, Mas aonde eu ia, eu tava Quanto mais eu corria, Mais pra perto eu chegava Quando o calcanhar chegava, O dedão do pé já tinha ido Escondendo eu me achava, E me achava escondido Só sei que quando penso que sei, Já não sei quem sou Já enjoei de me achar No lugar que aonde eu vou, eu tô Eu pensei correr de mim, Mas aonde eu ia, eu tava Quanto mais eu corria, Mais pra perto eu chegava Tô pensando em tirar férias de mim, Mas eu também quero ir Só vou se minha sombra não for, Se ela for eu fico aqui Um dia desses sonhando eu pensei: Não vou me acordar, Vou me deixar dormindo E levanto pra comemorar Eu pensei correr de mim, Mas aonde eu ia, eu tava Quanto mais eu corria, Mais pra perto eu chegava O espelho me disse: Só tem um jeito pro assunto Não adianta querer morrer Porque se morrer vai junto Se correr o bicho pega Mas se limpar o bicho some Tem que desembaraçar O novelo da vida do homem Se quiser que eu vá, eu vou Se quiser que eu fique, eu fico Quero ver você sair, meu irmão Dessa sinuca de bico Eu pensei correr de mim, Mas aonde eu ia, eu tava Quanto mais eu corria, Mais pra perto eu chegava O que fazer no enfrentamento de nós mesmos:
1.     Estabelecer o poder da fé. “Respondi: Senhor Deus, tu o sabes”. Não consigo enxergar incredulidade em Ezequiel por fazer essa declaração. Pelo contrário, consigo ver alguém que, a despeito das circunstancias que rondavam a visão que teve, pôde acreditar no poder de quem sabe tudo. “Reviver os ossos” é possível quando estamos estabelecidos no poder da fé.
2.     Estabelecer uma linguagem de acordo com os decretos de Deus. O que Ezequiel deveria aprender a partir dessa incomum visão era que sua linguagem não poderia ser a mesma. Era necessário mudar radicalmente o que falava para falar dos decretos de Deus. Há milagres que só acontecem a partir do momento que mudamos as nossas declarações.
3.     Estabelecer fidelidade aos princípios de Deus. “Ezequiel profetizou como lhe fora ordenado”. Na célere carreira para alcançar milagres muitos tem tropeçado por não serem fiéis aos princípios divinos. Cresce cada vez mais o numero daqueles que passa por cima de tudo o que vê pela frente para obter o que quer. São os “amantes de si mesmos” segundo as declarações do apóstolo Paulo. Estabelecer fidelidade aos princípios de Deus é não macular nem adulterar aquilo que Deus diz. Ezequiel entendeu isso prontamente e passou a declarar de acordo com o que Deus havia dito.

Josenilton Pinheiro

16 agosto 2008

Um gênesis na minha vida.

"No principio, criou Deus"

Gostaria de obter todas as fontes de interpretações bíblicas possíveis para entender na íntegra o significado espiritual e gracioso desta declaração.

Não querendo “esquisitar” as coisas, mas parece ridículo a inobservância que tenho diariamente em não perceber que a cada amanhecer de minha vida um novo gênesis nasce. Afinal, ontem foi ontem e como foi bom!

Por que se orgulhar da conquista de ontem ou se deprimir pela derrota? Foi ontem. E dele não posso fazer mais nada. Afinal, Deus pode fazer alguma coisa pelo que já passou?

Se Ele criou é porque sua vontade está focada no novo e não naquilo que já se foi.

Cansei de olhar modelos de vida expostos nas prateleiras da vida e rejeitá-las, inclusive e principalmente a minha. Agora quero me debruçar nas declarações não equivocadas de Moisés, pois ele mesmo narrou sua própria vida como modelo de novos começos.

Cansei de ser fantoche, cansei de ser crente, de viver para um povo que só sabe exigir...”.

Eu quero um gênesis na minha vida!

Eu Jó

07 agosto 2008

E A ALIANÇA FOI TESTADA


O texto bíblico é Gênesis 12 Não sei quanto a você, mas nesses meus vinte e tantos anos de experiência com o Evangelho aprendi, dentre tantas coisas, que Deus tem razões bem definidas para testar a fidelidade do seu povo. Uma das razões é para saber o que seu povo tem no coração. Parece irônico o Deus Todo Poderoso fazer um teste desses. Mas, não é ironia. O que na verdade acontece é que Ele usa dessa forma pra que nós mesmos descubramos o que há no nosso coração, pois, na verdade Ele sabe de tudo, mas nós nem sempre admitimos. É que às vezes fugimos da verdade residente em nós mesmos e Deus usa dessas situações para que nos seja revelado ou nos fazer lembrar. Não sei quantas vezes já fui provado por Deus. Também não sei se fui aprovado em todas elas, mas uma coisa é certa: Em todas elas tenho aprendido muito. E como! Fragmentado às vezes por lembranças dum passado recente tento entender melhor o modo como Deus equilibra a promessa feita ao seu povo com o teste que sempre acontece. Não sei se a experiência de Abraão responde isso, mas o fato é que Deus prova.
Nessa caminhada de promessas e provas eu aprendi que: 1. Deus requer a obediência e não o sacrifício. Abraão não foi testado para se saber a possibilidade dele sacrificar. Ele foi testado na capacidade de obedecer. Não sei se você vai concordar comigo, mas a maioria das religiões apregoa o sacrifício como pré requisito de “bênção ou salvação”. Uma simples leitura das Escrituras é suficiente para se descobrir que Deus não requer outra coisa dos seus filhos, senão a obediência. O teste de Abraão foi um teste de obediência até as ultimas conseqüências. 2. Deus, muitas vezes, pede aquilo que Ele deu. Isaque foi uma promessa e uma dádiva de Deus para Abraão. Foi nesse filho da promessa que residia o crescimento e a multiplicação. Tomar esse filho e oferecer em holocausto era devolver a Deus a possibilidade do cumprimento da promessa. Abraão teve uma total dependência de Deus. O milagre chamado Isaque não pertencia a Abraão e uma vez oferecido não tinha retorno. Foi uma entrega plena. Nos testes que tenho passado aprendi a discernir bem uma voz no meu espírito dizendo: “Devolva o que é meu”. 3. Obediência só é obediência acompanhada de prontidão e fé. No silencio da madrugada Abraão se levanta, prepara o seu jumentinho, chama dois dos seus servos, chama o filho, racha lenha e caminha prontamente em obedecer a Deus. Os instantes mais difíceis estava no percurso até o lugar escolhido por Deus. A angustia da alma se mistura com o silêncio de Deus e tentar entender o porquê nessas horas é como morrer aos poucos. Enquanto não chega o momento de ouvir o veredicto de Deus eu quero ser obediente, e você? Como Abraão foi obediente eu fico a indagar: Foi Deus quem testou a Abraão ou Abraão quem testou a Deus?
Permaneça obediente.


Josenilton Pinheiro

11 julho 2008

QUANDO A CURA ESTÁ FORA DO TEMPLO


Pois nós não podemos deixar de falar das coisas que temos visto e ouvido (Atos 4.20).

Os milagres mais impactantes não são aqueles que acontecem dentro do templo, mas fora dele porque abre portas para que o povo creia.

1. Como tudo começou. Tudo começou a partir da cura de um homem que desde nascença era coxo e que recebeu a cura na porta do templo, do lado de fora.
A pergunta que faço tendo este texto como base é: O que levou aquele homem a receber a cura?

          Sua persistência. Todos os dias punham à porta do templo dando a idéia de alguém que persistia em ser ajudado, ainda que pela esmola.

          Sua objetividade, foco. Ele ia pedir esmola. Estava à porta do templo, mas não entrava. Quem sabe tinha até ouvido falar de milagres, mas não era atraído pelos milagres. A razão de estar ali era apenas pedir esmola.
Quando se tem objetividade, quando não se muda de foco, até sem querer somos surpreendido por milagres. Diferente de um sem número de pessoas que entram e saem dos templos sem objetividade alguma, querendo receber milagres dentro do templo a lição daquele homem é: Tem que ter foco.
Será que alguém já o tinha convidado para entrar? Certamente! Mas ele não perdeu o seu foco e Deus viu nele objetividade e lhe presenteou com a cura.

          Sua expectativa. Não só persistência, não só objetividade, mas também expectativa de que iria conseguir aquilo para qual estava lá. “Esperando receber alguma coisa”.
Os que estavam dentro do templo ficaram pasmados por ver o homem saltando e glorificando a Deus pela cura. Estavam no templo, mas não tinham expectativas de que milagres poderiam acontecer...
A cura está fora do templo quando Deus encontra persistência, objetividade e expectativa no coração do ser que quer ser ajudado.

     A liberdade de um e a prisão de dois. Prisão versus liberdade. Pedro e João são usados por Deus para curar aquele homem e vão parar na cadeia por uma noite. É bem verdade que não foi apenas pela cura do homem que eles foram presos. Junta-se a isso o fato de que começaram a falar de Jesus, 12.
          Pedro não toma para si o poder da cura. 12-16
          Pedro prega o arrependimento e conversão. Cumpre o seu papel no mundo. 19-26. Pedro e João poderiam tomar a fama pra si, como fazem muitos pregadores, e pregar apenas cura, mas não. Eles cumpriram sua missão ainda que isso custasse uma noite na cadeia.

Conclusão:
1.    O que temos por essência para dar às pessoas é mais caro do que qualquer coisa que possamos dar em espécie. “O que temos, isto te damos”. Tempo, capacidade de perdoar, palavras de vida, serviço etc.
2.    É possível que haja no templo muita gente insensível às necessidades dos outros. Quase sempre, no templo, encontramos pessoas insensíveis às necessidades dos outros, pois a maioria busca seu próprio interesse.
3.    É possível que Deus encontre mais razões lá fora do que dentro do templo para operar milagres. Lá fora se encontra gente que persiste, gente objetiva, gente com capacidade de ser ajudada.
4.    A missão da igreja não pode ser substituída pelos sinais. Devem caminhar juntas!

Josenilton Pinheiro


28 junho 2008

Caminhar por aliança em tempo de excelência.


Texto bíblico: Gn. 12.1-3; 17.1-9.

Queremos desfrutar das promessas feitas por Deus a Abraão, mas nem sempre atentamos para os termos e exigências da aliança para o cumprimento dessas promessas.

Duas exigências são estabelecidas por Deus como pré-requisitos para o cumprimento das suas promessas a Abraão.

Primeiro. Abraão deveria sair da sua terra. (12);
Segunda. Deveria andar na presença de Deus e ser perfeito.

Sai da tua terra. O sair da tua terra fala de todas as coisas, em todos os tempos, em todos os níveis que precisam ser renunciadas.

As coisas das quais não gostamos,ou não nos satisfazem, abandonamos com facilidade.

Relacionamentos que nos fazem sentir prejudicado. Preferimos romper esses relacionamentos a trabalhar na nossa própria alma e ser um canal de bênção para essas pessoas. Quando Jesus disse para darmos pão e água ao nosso inimigo foi nos ensinando que se os deixarmos não podemos considerar essa atitude como renúncia, afinal, se pudéssemos elimina-los, certamente o faríamos. Toda renúncia tem seu preço.

Situações que julgamos injustas. Você pode discordar de uma situação, por não achar justa e com isso se omitir. Omissão não é renúncia. Nunca diga “não tenho nada a ver com isso” achando que está renunciando uma causa. Não justifique sua omissão dizendo “eu lavo minhas mãos”.

As coisas das quais gostamos e que nos satisfazem, temos dificuldades em abrir mão. São exatamente coisas assim que Deus nos pede para renunciar. Precisamos rever nossas canções para saber se o que cantamos é realmente verdade. Cantamos: “Abro mão dos meus sonhos, abro mão dos meus planos, abro mão da minha vida por ti. Abro mão dos prazeres e das minhas vontades, abro mão das riquezas por ti”; “Minha vida entrego a ti, os meus sonhos entrego a ti, faz de mim vaso novo, um coração novo, vaso de barro em tuas mãos”.

Relacionamentos que nos fazem sentir os “tais”. As pessoas que nos apreciam podem estar fazendo um favor ao diabo para nos tornar orgulhosos. É por isso que precisamos ter o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus, que, sendo Deus não se usurpou ser igual a Deus antes se humilhou a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. (Fil.2).

  • Há algo errado se ouvimos só críticas. Há algo de muito errado se ouvimos apenas elogios.
  • Com os que só nos criticam precisamos ter cuidado;
  • Com os que só nos elogiam, ser desconfiados.

No caso de Abrão sua casa e sua parentela eram obstáculos para o seu crescimento pessoal e para a manifestação plena das promessas de Deus. Até onde sei, sua relação familiar era amigável, mas, aparentemente prejudicial, razão esta de Deus ter-lhe dito: “Sai da tua terra e da tua parentela”.

SE A RENÚNCIA NÃO MEXE COM NOSSOS INTERESSES NÃO PODEMOS CONSIDEREAR RENÚNCIA.

Em síntese, renúncia é:

Aquilo que preciso fazer, mas quase sempre não quero;

Aceitar as condições impostas por Deus para obter o que Ele me prometeu;

É a capacidade de abrir mão de coisas licitas para obter coisas legítimas;

É a capacidade de fazer o que não quero pra conseguir o que preciso. Aqui, cabe uma frase que tem me edificado muito: “Se você faz o que todo mundo faz, chega onde todo mundo chega. Se você quer chegar onde a maioria não chega, precisa fazer o que a maioria não faz”.

Direitos e bens obtidos de forma ilegal. Toda semente prostituída é reprovada por Deus. Está escrito: Guardareis os meus estatutos; não permitirás que se ajuntem misturadamente os teus animais de diferentes espécies; no teu campo, não semearás sementes de mistura, e veste de diversos estofos misturados não vestireis (Lev. 19.19). Existem pessoas que conquistaram posições prostituindo alguma coisa.

  • Concursos fraudados
  • Diplomas falsificados
  • Currículo falso
  • Benefícios obtidos como troca por sexo
  • Unções falsificadas. Pastores e líderes que foram ungidos por causa dos seus dízimos, ou por causa de suas ambições.
  • Casamentos recomendados. Cuidado com lideres que incitam seus discípulos a um relacionamento, ou pais que incitam seus filhos dizendo "ele é um bom partido".
  • Coisas roubadas etc.
Anda na minha presença e sê perfeito. A perfeição é possível quando se anda com o Todo Poderoso. Um homem que tem promessa de Deus tem que ser um homem que ande na presença do Deus Todo Poderoso.

Deus dá uma ordem: “Anda na minha presença”. O descumprimento de suas ordens gera níveis de morte.

TODOS OS DECLINIOS EXISTENTES EM NOSSAS VIDAS SÃO RESULTADOS DA DESOBEDIENCIA ÀS ORDENS DE DEUS.

Se a minha relação com Deus não for intensa, perde a graça.

Andar na sua presença é viver comprometido com o padrão mais elevado de vida que é viver com Deus. “Não podemos agradar a Deus andando como queremos”.

Andar na sua presença é não negociar a relação com Deus por nenhuma oferta transitória. As ofertas transitórias são sementes para o desprezo das coisas eternas.

Andar na sua presença é entender que se passarmos um dia sem desfrutar bem da sua revelação ficaremos presos a coisas desnecessárias. Pare de fazer tudo o que está fazendo e comece a buscar a Deus.

Deus anda em busca de pessoas que andem com Ele por aliança.

Deus nos escolheu para caminharmos por aliança. O que aconteceu com Abraão também pode acontecer com você. Você é capaz de deixar sua terra e andar na presença dele.

Caminhar por aliança em tempo de excelência é a restauração plena da sua comunhão com Deus. A bíblia diz em Gênesis que Deus visitava Adão e Eva na viração do dia indicando que essa relação deve ser contínua, diária, persistente. O pecado da desobediência obstruiu essa relação, mas Deus entra em ação com o seu decreto: Sai da tua terra e anda na minha presença. Esse decreto foi feito pelo El Shadai, o Deus Todo Poderoso.

Na aliança





Ações de um servo excelente


Texto Bíblico: Daniel 1.
Do mesmo modo que a inspiração de uma canção reflete a vontade de Deus para o seu povo, assim também é a inspiração de um texto ou de um tema. Não tenho dúvidas de que é chegado o tempo de experimentarmos as coisas mais excelentes que Deus quer para as nossas vidas.
Na verdade toda a vontade de Deus gira em torno da excelência.
O que é inferior a excelência não é da vontade de Deus para o seu povo. Entender isso exige cura!
Fomos tão mal acostumados a nos conformar com o medíocre que, mesmo caminhando para uma terra que mana leite e mel, desejamos as migalhas do Egito (Nm. 11.18-20 Por favor leia este texto). Não somos tão diferentes daqueles homens murmuradores do deserto, todavia, Deus quer que sejamos transformados pela renovação da nossa mente para experimentarmos a sua excelente vontade (Rm. 12.1,2).
Enquanto nos conformarmos com o padrão do mundo não vamos experimentar o padrão de excelência.
Enquanto estimarmos a mediocridade estaremos bem distantes da vontade de Deus.
Quando o Senhor formou o homem não o fez para um lugar de miséria ou de mediocridade.
O jardim do Édem representava a excelência preparada por Deus para o homem. Optar por um fruto proibido foi uma opção medíocre tendo em vista a grandeza dos frutos que estavam à sua disposição.
Quando Adão e Eva optaram por o fruto proibido estavam sendo enganados pelas mentiras de satanás para não viver o que Deus projetou para eles. Satanás sabe que Deus tem o que há de mais excelente para o homem, mas como ele perdeu, na queda, os benefícios da excelência do Reino de Deus, quer também que o homem não experimente e a arma que ele usa para isso é o engano. A unica forma de neutralizar o esse engano é conhecendo e obedecendo a palavra do Senhor.
Dos jovens escolhidos para estar diante do rei Nabucodonozor estavam Daniel, Hananias, Misael e Azarias. Todos estes tiveram seus nomes trocados para caracterizar o paganismo do rei, mas não perderam as marcas de excelência que marcavam o seu caráter. Foram escolhidos porque eram “jovens sem defeito algum, de bela aparência, dotados de sabedoria, inteligência e instrução e tinham a capacidade para assistir no palácio do rei” (4). Porem para assumirem o posto precisava passar por um período de teste de três anos, (tempo necessário para que fossem habilitados ao serviço), comendo e bebendo aquilo que o rei havia estabelecido.
Por que todas estas exigências?
Por que tais critérios?
Por que um rei pagão exige que os seus servos sejam os melhores e os mais bem preparados?
A resposta a estas três perguntas pode se resumir no seguinte:
O rei era pagão, mas não era burro nem medíocre. Ele entendeu que poderia ter um reinado o mais excelente possível e exigiu que até mesmo os empregados fossem de excelência.
O contexto social no qual vivemos neste século XXI não é menos pagão que o reinado de Nabucodonozor. Os mais profanos da nossa sociedade brasileira, os mais imorais e os mais inescrupulosos são os que mais propagam a excelência, enquanto a detentora desse direito (a Igreja de Cristo na terra) se mantém muitas vezes inerte, inoperante e conformada com a mediocridade.
Já chegou a hora de arrancar das mãos de Nabucodonozor esse direito de posse e ser a igreja dos sonhos de Jesus: A igreja por excelência.
Sabendo que é da vontade de Deus que desfrutemos de toda a sua excelência, quais são as ações que Ele espera de nós como seus servos?
A primeira ação de um servo excelente é que ele surpreende o Senhor. Isto significa que ele dá o máximo de si naquilo que faz porque na verdade ninguém surpreende o Senhor. É a atitude do filho sábio descrito em Provérbios 10.1 – “Um filho sábio alegra a seu pai; mas um filho insensato é a tristeza da sua mãe”. Significa ainda que ele não omite suas habilidades e as usa exclusivamente para o engrandecimento do Reino de Deus. Surpreender aqui tem o sentido de alegrar o coração de Deus. Quando Daniel propôs no coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho (8) alegrou o coração de Deus com a sua atitude de fé ao pedir ao chefe dos eunucos que não se contaminasse. “Vivendo no palácio real, onde a vida dependia dos caprichos do rei, tentar mudar uma ordem requeria muita fé e muita coragem” (A.N.Mesquita – Estudo no livro de Daniel pag. 22).
A segunda ação de um servo excelente é que ele se empenha pelo que é excelente. Ele é primoroso. Isto é uma decisão. Fato que aconteceu com Daniel quando propôs no seu coração não se contaminar com as iguarias do rei (Dn. 1.8). Entre as iguarias estabelecidas pelo rei e os legumes escolhidos por Daniel a excelência estava na atitude de Daniel. Ele sabia que, se comesse das iguarias do rei seria contaminado por causa do apego do rei com os deuses caldeus. Essa atitude de Daniel o engrandeceu como engrandece qualquer homem. Por ser ele primoroso no que fazia “Deus fez com que Daniel achasse graça e misericórdia diante dos chefes dos eunucos”. Ser primoroso é fazer o melhor pra Deus. Gosto da canção “faça o melhor pra Deus”. É isso aí!
A terceira ação de um servo excelente é que ele não se contenta com o mediano. A bíblia sagrada que é um manual por excelência não ensina o homem a ser menos do que o estabelecido por Deus que fosse. Não é um manual de miseráveis e conformados com o padrão do mundo. A bíblia é um manual para excelentes e se você não o for ela não serve pra você. Quando nos distanciamos da palavra de Deus nos conformamos com tanta facilidade das coisas medianas que nem damos conta disso. Basta olhar para a influencia que a mídia tem sobre as pessoas que, quase sempre nunca pensam sobre aquilo que está vendo e ouvindo. Essa mídia profana ensina as pessoas a não pensar e se as leva a pensar é de maneira medíocre como se as inverdades apresentadas fossem dignas de confiança. Tome cuidado com esses “formadores de opinião”. Seja qual for seu oficio empenhe-se em ser o melhor possível. Isso é excelência!
A quarta ação de um servo excelente é que ele aprende em todo tempo, e com todos. Os medíocres são apenas informados, os excelentes formados. É bem verdade que os informados erram menos, mas os formados quase sempre não erram por causa do compromisso que tem com a verdade do conhecimento que adquiriram (Todo homem prudente age com base no conhecimento, mas o tolo expõe a sua insensatez Pv.13.16). Quer ser um servo que surpreende teu Senhor com atitudes de alegria? Empenhe-se em aprender em todo tempo, de tudo o que for possível e com todas as pessoas.
Somente os tolos desprezam o conhecimento - Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? (Pv. 1.22). A GRANDE lição aqui é: Não se conforme em não saber. Aprenda e faça!
Até os tolos são chamados a terem bom senso, quanto mais os que se dizem inteligentes - Vocês, inexperientes, adquiram a prudência; e vocês, tolos, tenham bom senso. (Pv. 8.5).
O acesso ao conhecimento graças a tecnologia é de fato uma grande bênção. Pena que muitas pessoas usam a tecnologia como único meio de aprendizado e conhecimento. Nada, nem mesmo a tecnologia vai substituir o principio bíblico de discipulado ensinado por Jesus: “ensinando-os a guardar todas as coisas” (Mt. 28.20).
Aprenda com as pessoas que te ferem a ser uma fonte que jorra perdão.
Aprenda com as dificuldades a ser fiel e perseverante.
Por mais difícil que uma situação possa ser, extraia o que há de excelente em você. Pelo menos tente. “A única pessoa que não falha é aquela que nunca sai de seu caminho habitual” (John C. Maxwell-A jornada do sucesso pag. 148). Para viver na excelência é necessário sair do caminho habitual. Mova-se.
A quinta ação de um servo excelente é que ele avalia o que faz, e é capaz de ser corrigido. As ações de uma pessoa que avalia estão nas palavras:
Ajuizar. Quem não avalia o que faz é semelhante ao homem que comete adultério. Ele não tem juízo. (Pv.6.32)
Ponderar.
Julgar-se.
Considerar.
E meditar.
A avaliação perde o seu valor se for apenas uma avaliação fria sem a disposição de corrigir os erros e melhorar nos acertos. Ou seja:
A verdadeira avaliação é aquela que te leva a reconhecer e corrigir os erros e identificar e aperfeiçoar os acertos, o que passa disso é desleixo.
A sexta ação de um servo excelente é a disciplina. Talvez seja esta a maior ação de uma pessoa excelente. É como se disséssemos:
Uma pessoa excelente não faz qualquer coisa,
Não vai a qualquer lugar,
Não fala qualquer coisa. Ela é marcada pela capacidade de agir de acordo com as verdades da palavra de Deus. Ser excelente é ser comprometido com o padrão mais elevado de vida.
Os ímpios morrem pela falta de disciplina (Pv. 5.23).
Quem ama a disciplina ama o conhecimento (Pv.12.1).
Quem despreza a disciplina cai em pobreza e na vergonha (Pv.13.18).
Disciplina exige dedicação (Pv.23.12).
Pague pela disciplina e não abra mão dela por nada (Pv.23.23).
A sétima ação de um servo excelente é que ele é prático.
A palavra do Senhor diz em Eclesiastes 12.13 – Teme a Deus e obedeça aos seus mandamentos.
O objetivo final do discipulado é a obediência. “Ensinando-os a guardar” (Mat. 28.20.)
Somos exortados a obedecer à palavra (Tg.1.22,23).

Josenilton Pinheiro

23 junho 2008

Lá vai um menino

Veio de lá dos brilhos das pedras e do sol da chapada diamantina, banhado nas as águas frias do Riacho do Mel, onde na tenra infância aprendeu a olhar a vida no brilho do sol que desvenda a profundeza das águas escuras de seu rio e aprendeu que a vida só pode ser vista com a luz que vem de cima.
Veio de lá dos brilhos das pedras de Itaberaba um menino com um pilão na cabeça carregada de perguntas: Para onde iremos? O que faremos? Porque meu pai chorou?
As respostas foram tragadas com o pé de cajá para desbotar os poucos dentes, com o colorido do pé de cajú, a escorregadia goiabeira, o pé de pinha, de mamão, de laranja, o andu, o mangalô... Enfumaçados no fogão à lenha pra comer o feijão com cortado de palma no largo quintal da vida.
Ta lá um menino com medo de rio, de doidos e de “curador”, sem saber que estava aprendendo a lidar com a vida que é vivida com alegrias e medos, com falas e segredos. Aprendeu também que quando o menino cresce o medo vira coragem, a inocência malícia e a simplicidade pecado.
Veio lá das pedras reluzentes e não da “areia quente” de onde poderia ter sido achado.
Menino que se perdeu debaixo da cama pra se esconder da dor e dos medos, mas só pra aprender que o dissabor da vida se vence prostrado aos pés da cruz.
Ta lá o menino homem chorando a morte da avó, da irmã...
Forçado pela vida a ser insensível!
Ta lá o menino homem com a bíblia na mão ouvindo conselhos de Zéu.
Educado aos pés de um Gamaliel chamado Júlio.
Descobrindo a vida e a razão de sua existência no exercício diaconal sob o olhar de um Luiz que não via um menino, enxergava um pastor.
Ta lá um menino homem engravatado pela religião!
Ta lá o menino homem instruído em provérbios por Oziel, mergulhado nas águas correntes do rio Paraguaçu, abraçado por uma mãe chamada Alzira, alvo de oração de Adélia e aprendiz de Elias...
Ta lá o menino homem sorrindo da vida com Esmeraldo que não vê, mas enxerga a vida e o conhece num simples toque.
E o menino homem se foi. Pródigo do lar para a cidade grande. Cercado de medos e acertos. Vítima da solidão, e da saudade de casa, do olhar missionário de Ely da paciência de Luiz... mas ainda carregado de sonhos pra vida.
O menino homem cresceu, amou vidas e se deu pelo brilho reluzente da pedra que brilha na escuridão da noite.
Sabe o que é dor, sabe amar, se entregar...
Silencia, chora, vive!
Ama a vida. Lamenta parte dela!
Mas continua carregado de sonhos pra vida.
Lá vai um homem das pedras reluzentes de sua terra natal para o mundo sabendo que para a pedra dá seu real brilho, precisa ser lapidada...
Lá vai um homem chamado eu.


Josenilton Pinheiro
"curador" era comprador de garrafas que levava um saco nas costas.
"areia quente" termo usado por minha irmã Conceição pra me tirar a paciência. Ela dizia que fui achado na areia quente...Risos...



07 abril 2008

Certo ou errado?


Errado: Não fiz, perdi o tempo.
Certo: Não fiz, ainda há tempo. 
Errado: Não sei, não tento. 
Certo: Não sei. Vou aprender e ser atento. 
Errado: Se todo mundo faz, vou fazer. 
Certo: Se ninguém faz, preciso fazer. 
Errado: Eu vou dizer: Perdi o tempo. 
Certo: Se eu não fizer no tempo certo, 
Errado: Eu vou dizer: Perdi o tempo. 
Josenilton Pinheiro