28 junho 2008

Caminhar por aliança em tempo de excelência.


Texto bíblico: Gn. 12.1-3; 17.1-9.

Queremos desfrutar das promessas feitas por Deus a Abraão, mas nem sempre atentamos para os termos e exigências da aliança para o cumprimento dessas promessas.

Duas exigências são estabelecidas por Deus como pré-requisitos para o cumprimento das suas promessas a Abraão.

Primeiro. Abraão deveria sair da sua terra. (12);
Segunda. Deveria andar na presença de Deus e ser perfeito.

Sai da tua terra. O sair da tua terra fala de todas as coisas, em todos os tempos, em todos os níveis que precisam ser renunciadas.

As coisas das quais não gostamos,ou não nos satisfazem, abandonamos com facilidade.

Relacionamentos que nos fazem sentir prejudicado. Preferimos romper esses relacionamentos a trabalhar na nossa própria alma e ser um canal de bênção para essas pessoas. Quando Jesus disse para darmos pão e água ao nosso inimigo foi nos ensinando que se os deixarmos não podemos considerar essa atitude como renúncia, afinal, se pudéssemos elimina-los, certamente o faríamos. Toda renúncia tem seu preço.

Situações que julgamos injustas. Você pode discordar de uma situação, por não achar justa e com isso se omitir. Omissão não é renúncia. Nunca diga “não tenho nada a ver com isso” achando que está renunciando uma causa. Não justifique sua omissão dizendo “eu lavo minhas mãos”.

As coisas das quais gostamos e que nos satisfazem, temos dificuldades em abrir mão. São exatamente coisas assim que Deus nos pede para renunciar. Precisamos rever nossas canções para saber se o que cantamos é realmente verdade. Cantamos: “Abro mão dos meus sonhos, abro mão dos meus planos, abro mão da minha vida por ti. Abro mão dos prazeres e das minhas vontades, abro mão das riquezas por ti”; “Minha vida entrego a ti, os meus sonhos entrego a ti, faz de mim vaso novo, um coração novo, vaso de barro em tuas mãos”.

Relacionamentos que nos fazem sentir os “tais”. As pessoas que nos apreciam podem estar fazendo um favor ao diabo para nos tornar orgulhosos. É por isso que precisamos ter o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus, que, sendo Deus não se usurpou ser igual a Deus antes se humilhou a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. (Fil.2).

  • Há algo errado se ouvimos só críticas. Há algo de muito errado se ouvimos apenas elogios.
  • Com os que só nos criticam precisamos ter cuidado;
  • Com os que só nos elogiam, ser desconfiados.

No caso de Abrão sua casa e sua parentela eram obstáculos para o seu crescimento pessoal e para a manifestação plena das promessas de Deus. Até onde sei, sua relação familiar era amigável, mas, aparentemente prejudicial, razão esta de Deus ter-lhe dito: “Sai da tua terra e da tua parentela”.

SE A RENÚNCIA NÃO MEXE COM NOSSOS INTERESSES NÃO PODEMOS CONSIDEREAR RENÚNCIA.

Em síntese, renúncia é:

Aquilo que preciso fazer, mas quase sempre não quero;

Aceitar as condições impostas por Deus para obter o que Ele me prometeu;

É a capacidade de abrir mão de coisas licitas para obter coisas legítimas;

É a capacidade de fazer o que não quero pra conseguir o que preciso. Aqui, cabe uma frase que tem me edificado muito: “Se você faz o que todo mundo faz, chega onde todo mundo chega. Se você quer chegar onde a maioria não chega, precisa fazer o que a maioria não faz”.

Direitos e bens obtidos de forma ilegal. Toda semente prostituída é reprovada por Deus. Está escrito: Guardareis os meus estatutos; não permitirás que se ajuntem misturadamente os teus animais de diferentes espécies; no teu campo, não semearás sementes de mistura, e veste de diversos estofos misturados não vestireis (Lev. 19.19). Existem pessoas que conquistaram posições prostituindo alguma coisa.

  • Concursos fraudados
  • Diplomas falsificados
  • Currículo falso
  • Benefícios obtidos como troca por sexo
  • Unções falsificadas. Pastores e líderes que foram ungidos por causa dos seus dízimos, ou por causa de suas ambições.
  • Casamentos recomendados. Cuidado com lideres que incitam seus discípulos a um relacionamento, ou pais que incitam seus filhos dizendo "ele é um bom partido".
  • Coisas roubadas etc.
Anda na minha presença e sê perfeito. A perfeição é possível quando se anda com o Todo Poderoso. Um homem que tem promessa de Deus tem que ser um homem que ande na presença do Deus Todo Poderoso.

Deus dá uma ordem: “Anda na minha presença”. O descumprimento de suas ordens gera níveis de morte.

TODOS OS DECLINIOS EXISTENTES EM NOSSAS VIDAS SÃO RESULTADOS DA DESOBEDIENCIA ÀS ORDENS DE DEUS.

Se a minha relação com Deus não for intensa, perde a graça.

Andar na sua presença é viver comprometido com o padrão mais elevado de vida que é viver com Deus. “Não podemos agradar a Deus andando como queremos”.

Andar na sua presença é não negociar a relação com Deus por nenhuma oferta transitória. As ofertas transitórias são sementes para o desprezo das coisas eternas.

Andar na sua presença é entender que se passarmos um dia sem desfrutar bem da sua revelação ficaremos presos a coisas desnecessárias. Pare de fazer tudo o que está fazendo e comece a buscar a Deus.

Deus anda em busca de pessoas que andem com Ele por aliança.

Deus nos escolheu para caminharmos por aliança. O que aconteceu com Abraão também pode acontecer com você. Você é capaz de deixar sua terra e andar na presença dele.

Caminhar por aliança em tempo de excelência é a restauração plena da sua comunhão com Deus. A bíblia diz em Gênesis que Deus visitava Adão e Eva na viração do dia indicando que essa relação deve ser contínua, diária, persistente. O pecado da desobediência obstruiu essa relação, mas Deus entra em ação com o seu decreto: Sai da tua terra e anda na minha presença. Esse decreto foi feito pelo El Shadai, o Deus Todo Poderoso.

Na aliança





Ações de um servo excelente


Texto Bíblico: Daniel 1.
Do mesmo modo que a inspiração de uma canção reflete a vontade de Deus para o seu povo, assim também é a inspiração de um texto ou de um tema. Não tenho dúvidas de que é chegado o tempo de experimentarmos as coisas mais excelentes que Deus quer para as nossas vidas.
Na verdade toda a vontade de Deus gira em torno da excelência.
O que é inferior a excelência não é da vontade de Deus para o seu povo. Entender isso exige cura!
Fomos tão mal acostumados a nos conformar com o medíocre que, mesmo caminhando para uma terra que mana leite e mel, desejamos as migalhas do Egito (Nm. 11.18-20 Por favor leia este texto). Não somos tão diferentes daqueles homens murmuradores do deserto, todavia, Deus quer que sejamos transformados pela renovação da nossa mente para experimentarmos a sua excelente vontade (Rm. 12.1,2).
Enquanto nos conformarmos com o padrão do mundo não vamos experimentar o padrão de excelência.
Enquanto estimarmos a mediocridade estaremos bem distantes da vontade de Deus.
Quando o Senhor formou o homem não o fez para um lugar de miséria ou de mediocridade.
O jardim do Édem representava a excelência preparada por Deus para o homem. Optar por um fruto proibido foi uma opção medíocre tendo em vista a grandeza dos frutos que estavam à sua disposição.
Quando Adão e Eva optaram por o fruto proibido estavam sendo enganados pelas mentiras de satanás para não viver o que Deus projetou para eles. Satanás sabe que Deus tem o que há de mais excelente para o homem, mas como ele perdeu, na queda, os benefícios da excelência do Reino de Deus, quer também que o homem não experimente e a arma que ele usa para isso é o engano. A unica forma de neutralizar o esse engano é conhecendo e obedecendo a palavra do Senhor.
Dos jovens escolhidos para estar diante do rei Nabucodonozor estavam Daniel, Hananias, Misael e Azarias. Todos estes tiveram seus nomes trocados para caracterizar o paganismo do rei, mas não perderam as marcas de excelência que marcavam o seu caráter. Foram escolhidos porque eram “jovens sem defeito algum, de bela aparência, dotados de sabedoria, inteligência e instrução e tinham a capacidade para assistir no palácio do rei” (4). Porem para assumirem o posto precisava passar por um período de teste de três anos, (tempo necessário para que fossem habilitados ao serviço), comendo e bebendo aquilo que o rei havia estabelecido.
Por que todas estas exigências?
Por que tais critérios?
Por que um rei pagão exige que os seus servos sejam os melhores e os mais bem preparados?
A resposta a estas três perguntas pode se resumir no seguinte:
O rei era pagão, mas não era burro nem medíocre. Ele entendeu que poderia ter um reinado o mais excelente possível e exigiu que até mesmo os empregados fossem de excelência.
O contexto social no qual vivemos neste século XXI não é menos pagão que o reinado de Nabucodonozor. Os mais profanos da nossa sociedade brasileira, os mais imorais e os mais inescrupulosos são os que mais propagam a excelência, enquanto a detentora desse direito (a Igreja de Cristo na terra) se mantém muitas vezes inerte, inoperante e conformada com a mediocridade.
Já chegou a hora de arrancar das mãos de Nabucodonozor esse direito de posse e ser a igreja dos sonhos de Jesus: A igreja por excelência.
Sabendo que é da vontade de Deus que desfrutemos de toda a sua excelência, quais são as ações que Ele espera de nós como seus servos?
A primeira ação de um servo excelente é que ele surpreende o Senhor. Isto significa que ele dá o máximo de si naquilo que faz porque na verdade ninguém surpreende o Senhor. É a atitude do filho sábio descrito em Provérbios 10.1 – “Um filho sábio alegra a seu pai; mas um filho insensato é a tristeza da sua mãe”. Significa ainda que ele não omite suas habilidades e as usa exclusivamente para o engrandecimento do Reino de Deus. Surpreender aqui tem o sentido de alegrar o coração de Deus. Quando Daniel propôs no coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho (8) alegrou o coração de Deus com a sua atitude de fé ao pedir ao chefe dos eunucos que não se contaminasse. “Vivendo no palácio real, onde a vida dependia dos caprichos do rei, tentar mudar uma ordem requeria muita fé e muita coragem” (A.N.Mesquita – Estudo no livro de Daniel pag. 22).
A segunda ação de um servo excelente é que ele se empenha pelo que é excelente. Ele é primoroso. Isto é uma decisão. Fato que aconteceu com Daniel quando propôs no seu coração não se contaminar com as iguarias do rei (Dn. 1.8). Entre as iguarias estabelecidas pelo rei e os legumes escolhidos por Daniel a excelência estava na atitude de Daniel. Ele sabia que, se comesse das iguarias do rei seria contaminado por causa do apego do rei com os deuses caldeus. Essa atitude de Daniel o engrandeceu como engrandece qualquer homem. Por ser ele primoroso no que fazia “Deus fez com que Daniel achasse graça e misericórdia diante dos chefes dos eunucos”. Ser primoroso é fazer o melhor pra Deus. Gosto da canção “faça o melhor pra Deus”. É isso aí!
A terceira ação de um servo excelente é que ele não se contenta com o mediano. A bíblia sagrada que é um manual por excelência não ensina o homem a ser menos do que o estabelecido por Deus que fosse. Não é um manual de miseráveis e conformados com o padrão do mundo. A bíblia é um manual para excelentes e se você não o for ela não serve pra você. Quando nos distanciamos da palavra de Deus nos conformamos com tanta facilidade das coisas medianas que nem damos conta disso. Basta olhar para a influencia que a mídia tem sobre as pessoas que, quase sempre nunca pensam sobre aquilo que está vendo e ouvindo. Essa mídia profana ensina as pessoas a não pensar e se as leva a pensar é de maneira medíocre como se as inverdades apresentadas fossem dignas de confiança. Tome cuidado com esses “formadores de opinião”. Seja qual for seu oficio empenhe-se em ser o melhor possível. Isso é excelência!
A quarta ação de um servo excelente é que ele aprende em todo tempo, e com todos. Os medíocres são apenas informados, os excelentes formados. É bem verdade que os informados erram menos, mas os formados quase sempre não erram por causa do compromisso que tem com a verdade do conhecimento que adquiriram (Todo homem prudente age com base no conhecimento, mas o tolo expõe a sua insensatez Pv.13.16). Quer ser um servo que surpreende teu Senhor com atitudes de alegria? Empenhe-se em aprender em todo tempo, de tudo o que for possível e com todas as pessoas.
Somente os tolos desprezam o conhecimento - Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? (Pv. 1.22). A GRANDE lição aqui é: Não se conforme em não saber. Aprenda e faça!
Até os tolos são chamados a terem bom senso, quanto mais os que se dizem inteligentes - Vocês, inexperientes, adquiram a prudência; e vocês, tolos, tenham bom senso. (Pv. 8.5).
O acesso ao conhecimento graças a tecnologia é de fato uma grande bênção. Pena que muitas pessoas usam a tecnologia como único meio de aprendizado e conhecimento. Nada, nem mesmo a tecnologia vai substituir o principio bíblico de discipulado ensinado por Jesus: “ensinando-os a guardar todas as coisas” (Mt. 28.20).
Aprenda com as pessoas que te ferem a ser uma fonte que jorra perdão.
Aprenda com as dificuldades a ser fiel e perseverante.
Por mais difícil que uma situação possa ser, extraia o que há de excelente em você. Pelo menos tente. “A única pessoa que não falha é aquela que nunca sai de seu caminho habitual” (John C. Maxwell-A jornada do sucesso pag. 148). Para viver na excelência é necessário sair do caminho habitual. Mova-se.
A quinta ação de um servo excelente é que ele avalia o que faz, e é capaz de ser corrigido. As ações de uma pessoa que avalia estão nas palavras:
Ajuizar. Quem não avalia o que faz é semelhante ao homem que comete adultério. Ele não tem juízo. (Pv.6.32)
Ponderar.
Julgar-se.
Considerar.
E meditar.
A avaliação perde o seu valor se for apenas uma avaliação fria sem a disposição de corrigir os erros e melhorar nos acertos. Ou seja:
A verdadeira avaliação é aquela que te leva a reconhecer e corrigir os erros e identificar e aperfeiçoar os acertos, o que passa disso é desleixo.
A sexta ação de um servo excelente é a disciplina. Talvez seja esta a maior ação de uma pessoa excelente. É como se disséssemos:
Uma pessoa excelente não faz qualquer coisa,
Não vai a qualquer lugar,
Não fala qualquer coisa. Ela é marcada pela capacidade de agir de acordo com as verdades da palavra de Deus. Ser excelente é ser comprometido com o padrão mais elevado de vida.
Os ímpios morrem pela falta de disciplina (Pv. 5.23).
Quem ama a disciplina ama o conhecimento (Pv.12.1).
Quem despreza a disciplina cai em pobreza e na vergonha (Pv.13.18).
Disciplina exige dedicação (Pv.23.12).
Pague pela disciplina e não abra mão dela por nada (Pv.23.23).
A sétima ação de um servo excelente é que ele é prático.
A palavra do Senhor diz em Eclesiastes 12.13 – Teme a Deus e obedeça aos seus mandamentos.
O objetivo final do discipulado é a obediência. “Ensinando-os a guardar” (Mat. 28.20.)
Somos exortados a obedecer à palavra (Tg.1.22,23).

Josenilton Pinheiro

23 junho 2008

Lá vai um menino

Veio de lá dos brilhos das pedras e do sol da chapada diamantina, banhado nas as águas frias do Riacho do Mel, onde na tenra infância aprendeu a olhar a vida no brilho do sol que desvenda a profundeza das águas escuras de seu rio e aprendeu que a vida só pode ser vista com a luz que vem de cima.
Veio de lá dos brilhos das pedras de Itaberaba um menino com um pilão na cabeça carregada de perguntas: Para onde iremos? O que faremos? Porque meu pai chorou?
As respostas foram tragadas com o pé de cajá para desbotar os poucos dentes, com o colorido do pé de cajú, a escorregadia goiabeira, o pé de pinha, de mamão, de laranja, o andu, o mangalô... Enfumaçados no fogão à lenha pra comer o feijão com cortado de palma no largo quintal da vida.
Ta lá um menino com medo de rio, de doidos e de “curador”, sem saber que estava aprendendo a lidar com a vida que é vivida com alegrias e medos, com falas e segredos. Aprendeu também que quando o menino cresce o medo vira coragem, a inocência malícia e a simplicidade pecado.
Veio lá das pedras reluzentes e não da “areia quente” de onde poderia ter sido achado.
Menino que se perdeu debaixo da cama pra se esconder da dor e dos medos, mas só pra aprender que o dissabor da vida se vence prostrado aos pés da cruz.
Ta lá o menino homem chorando a morte da avó, da irmã...
Forçado pela vida a ser insensível!
Ta lá o menino homem com a bíblia na mão ouvindo conselhos de Zéu.
Educado aos pés de um Gamaliel chamado Júlio.
Descobrindo a vida e a razão de sua existência no exercício diaconal sob o olhar de um Luiz que não via um menino, enxergava um pastor.
Ta lá um menino homem engravatado pela religião!
Ta lá o menino homem instruído em provérbios por Oziel, mergulhado nas águas correntes do rio Paraguaçu, abraçado por uma mãe chamada Alzira, alvo de oração de Adélia e aprendiz de Elias...
Ta lá o menino homem sorrindo da vida com Esmeraldo que não vê, mas enxerga a vida e o conhece num simples toque.
E o menino homem se foi. Pródigo do lar para a cidade grande. Cercado de medos e acertos. Vítima da solidão, e da saudade de casa, do olhar missionário de Ely da paciência de Luiz... mas ainda carregado de sonhos pra vida.
O menino homem cresceu, amou vidas e se deu pelo brilho reluzente da pedra que brilha na escuridão da noite.
Sabe o que é dor, sabe amar, se entregar...
Silencia, chora, vive!
Ama a vida. Lamenta parte dela!
Mas continua carregado de sonhos pra vida.
Lá vai um homem das pedras reluzentes de sua terra natal para o mundo sabendo que para a pedra dá seu real brilho, precisa ser lapidada...
Lá vai um homem chamado eu.


Josenilton Pinheiro
"curador" era comprador de garrafas que levava um saco nas costas.
"areia quente" termo usado por minha irmã Conceição pra me tirar a paciência. Ela dizia que fui achado na areia quente...Risos...