18 setembro 2007

PERDOANDO E SENDO PERDOADO


Referência bíblica necessária: Mateus 6.12-15 e 18.23-35

Aprender a perdoar uns aos outros é parte do processo de amadurecimento espiritual. Quanto mais perdôo mais maduro me torno na relação com outras pessoas.

O padrão de oração (O Pai Nosso) ensinado por Jesus aos seus discípulos inclui um dos princípios fundamentais na relação do homem com Deus e com o próximo: O princípio do perdão.
Aprender a perdoar uns aos outros é parte do processo de amadurecimento espiritual. Quanto mais perdôo mais maduro me torno na relação com outras pessoas. Amadurecer até o ponto de entender que “Deus não dará seu perdão àqueles que se recusarem a perdoar os seus devedores” Mc.11.25,26. “Deus usa as ofensas de outros contra nós para ensinar-nos a perdoar”. Cada vez que alguém apronta uma com a gente Deus está nos dando uma oportunidade para desenvolver o ato de perdoar.
No livro Nenhuma Hora? De Larry Lea, pag. 120, ele fala sobre as medidas que devemos tomar para que nos relacionemos bem com todas as pessoas, dentre elas a decisão de perdoar na mesma medida que desejamos ser perdoados.
Quando decidimos perdoar na mesma medida que desejamos ser perdoados começamos a entender o que Jesus respondeu a Pedro quando este lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim que eu lhe perdoe? Até sete vezes? Jesus então respondeu: Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete. O que quis o Senhor ensinar com isso? Ele “queria ensinar que devemos perdoar aos outros todas as vezes que nos ofenderem. E porque Ele faria uma afirmação dessas? Porque Ele está pronto e disposto a perdoar-nos todas as vezes que pecarmos”
Em Mateus 18.23-35 Jesus narrou uma parábola que contém muitas revelações sobre o perdão. Nela o Senhor ensina que “se não perdoarmos àqueles que nos ofendem, viveremos sempre em recordações angustiosas e sob opressão demoníaca, até que os perdoemos e os libertemos. Se não perdoarmos, continuaremos atormentados, mesmo que os melhores homens de Deus orem por nós, ungindo-nos com azeite. Por quê? Porque só podemos ser libertos depois que tomarmos a decisão de perdoar”.

O QUE ACONTECE COM UMA PESSOA QUANDO SE RECUSA A PERDOAR?
1. Vive mal porque não tem paz. Escrevendo aos Colossenses (3.13-15) o apóstolo Paulo ensina que quando “suportamos e perdoamos uns aos outros” a paz de Deus vem como resultado. Porém, quando deixamos de perdoar a paz nos é tirada.

2. Tem um coração amargurado e preso. Uma pessoa com o coração amargurado ’se priva da graça de Deus’ e o pior é que ela contamina os outros. (Hb. 12.15). Veja ainda o que Paulo escreveu em Efésios 4.31,32 - Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós, antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo.
3. Trata com indiferença. Indiferença é o mesmo que desinteresse. É tratar os outros friamente. É conscientemente tomar a decisão de não ser normal com os outros. Como é triste constatar que são muitas as pessoas que agem dessa forma, contrariando o que o Senhor nos ensinou: Setenta vezes sete! Uma pessoa indiferente faz pouco caso das pessoas e de suas necessidades e se esquece que “com a medida que medirmos seremos medidos”. Não seja indiferente, seja diferente: Perdoe!
4. Não se relaciona bem consigo mesmo nem com os outros. Negar o perdão leva a pessoa a se fechar para si mesma. Ela fica tão protetora de si que não se relaciona bem com as pessoas com medo de ser ferida. Essa “proteção” é tão ineficaz que aos poucos a pessoa se sente isolada e quando menos espera está só. Deus nos criou para vivermos e nos relacionarmos bem uns com os outros e uma das formas de fazer isto é perdoando e sendo perdoados.
5. Vive com desejo de vingança. Escrevendo aos Romanos 12.19,20 veja o que Paulo recomenda e verifique se na sua vida você não precisa fazer um ajuste na sua relação com as pessoas. “Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor.Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça.”
6. Atrai enfermidades físicas. A falta de perdão é um problema de ordem emocional e “os problemas emocionais não se resolvem com oração e jejum, se resolvem com perdão”. Muitas pessoas estão enfermas por esta falta de perdão. E a experiência mostra que muitas ficam curadas quando resolve em seus corações perdoar.

Veja o que Michael Yousesef em seu livro “O estilo de liderança de Jesus” fala sobre os passos para a reconciliação com as pessoas e como abrir caminho para o perdão:
1. Auto-análise. Às vezes precisamos nos perguntar por que estamos guardando rancor, por que acabamos nos sentindo feridos ou zangados. “Ninguém pode ferir seus sentimentos a não ser você mesmo. Os outros podem tocar numa parte sensível da sua vida que você ainda não entregou para Jesus”. E quando isso acontece eles estão “nos prestando um favor quando nos indicam os setores de nossa vida que estão precisando ser melhorados”.
2. Orar pelos inimigos. Por que não anotar os nomes dos seus detratores, rivais, críticos e levá-los até a presença de Deus todos os dias?
3. Esperar a cura. Precisamos trabalhar pela reconciliação. Temos que esperar que ela aconteça.

Josenilton Pinheiro

(Fontes Bibliográficas: Nem uma hora? Larry Lea –Ed. Betânia/ O estilo de liderança de Jesus, Michael Youssef—EdBetânia)

Nenhum comentário: